março 4, 2024

012 News | A Notícia a Um Clique de Você.

O conceito da 012 News é informar e entreter nossos telespectadores e ouvinte.

Governo de São Paulo destina R$ 1,5 bilhão para Santas Casas e Hospitais Filantrópicos da RMVALE

Foto: Claudio Vieira

O Governo de São Paulo anunciou o programa “Mais Santas Casas”, que prevê auxílio financeiro às Santas Casas e aos hospitais filantrópicos do estado. No total, serão destinados MAIS DE R$ 1 bilhão por ano para apoiar no custeio da prestação dos serviços do SUS (Sistema Único de Saúde).

Na RMVale, 21 unidades serão beneficiadas, são elas as Santas Casas de: São José dos Campos, Pindamonhangaba, Guaratinguetá, Aparecida, Cruzeiro, Lorena, Jacareí, Ubatuba, São Bento do Sapucaí, Cunha, Cachoeira Paulista e São Luiz do Paraitinga. Além dos hospitais: São Francisco de Assis, em Jacareí; PIO XII e Francisca Julia em São José dos Campos; Casa de Saúde Stella Maris, em Caraguatatuba; GACC, em São José dos Campos; Frei Galvão, em Guaratinguetá; de Clinicas, em  São Sebastiao; Nossa Senhora da Ajuda, em Caçapava; e Leonor Mendes de Barros, em Campos do Jordão.

“A partir de 1º de outubro os recursos já estarão disponível para os hospitais, para atendimento à população mais vulnerável, mais sofrida do nosso estado”, disse o governador João Doria (PSDB).

De acordo com o governo estadual, o “Mais Santas Casas” ampliará em 25% os recursos já destinados anualmente por meio de convênios, destinando mais de R$ 250 milhões extras neste tipo de auxílio financeiro e passará a alcançar 333 entidades, número 2,5 vezes maior que o de beneficiados até então – eram 130 conveniadas pelos programas pré-existentes.

O governador ainda assinou um projeto de lei que pretende tornar o programa “Mais Santas Casas” permanente, enviando o PL para apreciação na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo).

O programa diferencia os hospitais em três categorias: grande porte (com mais de 150 leitos), médio porte (aproximadamente 100 leitos) e os demais. Os de grande porte irão receber 70% acima do teto de aporte do Governo Federal, os de médio 40% e os demais 10%.